F1: Chefe da McLaren diz que ter dois pilotos competitivos traz benefícios estratégicos

Depois do GP da Emília-Romanha de Fórmula 1, Andrea Stella, chefe da McLaren, destacou a vantagem de ter dois pilotos competitivos em sua equipe. Lando Norris quase superou o vencedor da corrida, Max Verstappen, mas ficou em P2, enquanto Oscar Piastri brigou pelo pódio, e terminou em P4. Enquanto isso, na Red Bull, Sergio Perez ficou apenas na oitava posição.

A McLaren sonha em voltar a disputar o título na F1. Zak Brown, CEO da equipe, já declarou a intenção de vencer várias corridas na temporada 2024, e apesar do segundo lugar na Itália, Stella vê potencial, pois Norris pressionou Verstappen até o final da corrida em Ímola.

“Norris preservou bem os pneus no segundo stint e depois usou sua habilidade no final da prova. Mas Charles (Leclerc) também teve momentos como o carro mais rápido”, disse Stella ao GPblog.

A Ferrari, que também levou atualizações para Ímola, também parece estar alcançando a Red Bull. Isso coloca pressão sobre Perez, que precisa pontuar alto para a equipe austríaca. Um cenário de briga pelo título aparenta estar se desenhando, mas talvez só para a próxima temporada, já que Verstappen tem uma ampla vantagem na pontuação.

Mesmo que seja tarde para isso em 2024, Stella identifica um ponto positivo para a McLaren: “Vemos o benefício de ter mais de um carro competitivo, o que cria diferentes cenários. Foi emocionante para os fãs”, concluiu.

A McLaren conquistou trinta pontos, um a mais que a Red Bull com o oitavo lugar de Perez. Ter dois carros para atacar Verstappen pode abrir opções estratégicas nas corridas. Porém, a equipe britânica está a mais de 100 pontos atrás no campeonato, e com Verstappen ainda vencendo corridas, o título em 2024 parece bastante improvável.

O F1MANIA.NET acompanha ‘in loco’ todas as atividades do GP da Emília-Romanha, diretamente de Ímola, com o jornalista Rodrigo França.