F1: Chefe da Aston Martin admite que carro de 2024 é difícil de pilotar

A Aston Martin revelou que seu carro para a temporada 2024 da Fórmula 1 é difícil de pilotar, e isso tem deixado seus pilotos mais vulneráveis em uma temporada onde a competitividade entre as equipes está bastante acirrada.

O time britânico começou o campeonato de 2023 com um desempenho que a colocou como principal rival da Red Bull Racing no início do ano passado, mas perdeu performance ao longo da temporada e este ano continua enfrentando problemas.

As atualizações introduzidas em Ímola coincidiram com um fim de semana repleto de erros de Fernando Alonso. Na ocasião, o chefe de equipe Mike Krack admitiu que o AMR24 era ‘mais difícil de pilotar’.

Krack afirmouu que a equipe ainda não solucionou o problema, e a margem de erro que Alonso e Lance Stroll precisam considerar, está custando caro em um grid cada vez mais equilibrado.

“O carro é bem difícil de pilotar, e não conseguimos resolver isso até agora”, disse Krack no Canadá. “Precisamos de um carro mais dócil, que facilite extrair o potencial dos pilotos e lhes dê mais confiança.”

“Tínhamos um carro assim no passado, e era muito mais fácil para os pilotos. Se você não confia no carro, não pode ir ao máximo. É preciso ter margem de erro, e isso te deixa mais vulnerável às pequenas diferenças que temos hoje no grid”, disse ele.

“Isso pode te colocar no lado errado da disputa e te fazer largar bem atrás. Por isso precisamos resolver esses problemas. Eu adoraria poder dizer que tudo estará resolvido em duas corridas. Estamos trabalhando duro para solucionar esses problemas e tentando trazer as atualizações o mais rápido possível”, acrescentou.

Questionado sobre a existência de um único problema que está limitando a Aston Martin, Krack respondeu: “Se fosse apenas um problema, já teríamos resolvido”, concluiu.