F1: Alpine espera futuro promissor com modernização de suas fábricas

Apesar de uma temporada 2023 na Fórmula 1 abaixo do esperado, com a queda para o sexto lugar no Campeonato de Construtores, a Alpine está trabalhando intensamente nos bastidores para se recuperar. O chefe de equipe interino, Bruno Famin, revelou uma série de medidas de modernização que estão sendo implementadas nas fábricas da equipe.

O fabricante francês viveu um ano turbulento, marcado por mudanças na alta administração e resultados aquém do esperado, embora ainda tenha conquistado dois pódios. Atualmente, a Alpine opera em duas fábricas: Enstone, focada no chassi, e Viry-Châtillon, responsável pela unidade de potência.

Para dar a volta por cima após o ano difícil, Famin destaca que a equipe está investindo pesado em seus processos internos. Ele reconhece a importância da cultura e atitude, mas ressalta que a modernização das instalações também é crucial para o sucesso.

Famion afirmou: “Para mim, a cultura e a atitude são fundamentais. Mas claro, isso não é o bastante. A modernização de ambos os locais está em andamento e bem avançada, especialmente em Viry.”

Em Viry, a meta é concluir a modernização da fábrica. Nos últimos dois anos, um novo prédio dedicado à montagem da unidade de potência foi construído e agora os dinamômetros estão sendo atualizados.

Famin ressalta que o aumento do teto de gastos concedido pela FIA no início do ano, tem permitido à Alpine investir ainda mais em sua estrutura. Ele também confirmou o cronograma para a conclusão da modernização das instalações.

“Em Enstone, muito trabalho também foi feito”, disse ele. “Investimos e iniciamos o trabalho para um novo simulador, que hoje é um ponto fraco. Graças à decisão de equalização do CapEx (limite de orçamento) da FIA, também poderemos desenvolver novos dinamômetros para o carro em si, para a suspensão e similares.”

“Acredito que, nos próximos dois anos, concluiremos a modernização de ambas as fábricas, o que será, sem dúvida, uma vantagem. Mas não significará nada se não tivermos as pessoas certas com a mentalidade certa para operar tudo isso”, finalizou Famin.