F1: Allison não considera conceito “zeropod” o único problema do W14

A temporada 2023 da Mercedes na Fórmula 1 não foi o que os fãs esperavam. Após oito anos dominando a categoria, a equipe viveu um ano de transição, mas ainda conquistando o segundo lugar no Mundial de Construtores, porém sem nenhuma vitória. Mas o diretor técnico James Allison descarta a ideia de que o ousado conceito ‘zeropod’ foi o único responsável pelas dificuldades.

“Não vejo o mundo da forma que você vê, focando apenas nas laterais”, afirmou Allison no vídeo de revisão da temporada da Sky F1. “Certamente pegamos um caminho diferente com nosso carro, mas não foi apenas pelas laterais. Todo o design, da frente à traseira, não era competitivo.”

Ele admite que o conceito estava errado desde o início, mas considera que o problema foi mais profundo: “Os ‘barrigões’ (efeito colateral da busca por downforce) talvez sejam o símbolo de uma equipe que demorou demais para entender em qual lado estava, mas não são o elemento que definiu o nosso destino.”

Allison reconheceu que a Mercedes entrou em um ‘padrão destrutivo’ em 2022, resultando em um ambiente de trabalho fragmentado após a perda de confiança. Isso foi corrigido este ano, e a equipe promete um novo carro para 2024, o W15, com o objetivo de superar a Red Bull, dominante em 2023.

“Espero que tenhamos elaborado um programa de trabalho robusto para nos colocar na briga por vitórias novamente”, disse Allison. “Isso significa vencer um GP? Significa vencer o campeonato? Na minha cabeça, sempre se trata do campeonato. É disso que a F1 se trata. São os campeonatos de pilotos e construtores. Portanto, espero que tenhamos feito o suficiente para nos colocar na luta pelo título em ambos os campeonatos”, encerrou Allison.

A Mercedes, portanto, adota uma filosofia de aprendizado e correção para 2024. Ao reconhecer os erros do passado e investir em um novo carro mais competitivo, a equipe espera voltar aos seus dias de glória e rivalizar com a Red Bull na próxima temporada.