F1: Verstappen comenta sobre condições climáticas extremas durante os GPs

Max Verstappen mostrou bastante habilidade em se adaptar a qualquer situação na Fórmula 1. O holandês conquistou duas vitórias em condições climáticas extremas em 2023, no GP da Holanda em meio a uma chuva repentina, e no GP do Catar sob um calor escaldante. Em um recente livestream no TikTok, ele revelou os segredos para enfrentar esses desafios.

No GP da Holanda, a pressão da torcida local se somava à tensão da pista encharcada em dois momentos da corrida. “Foi uma loucura. Ficar na pista com pneus slicks no começo e na chuva do final, foi uma corrida épica”, disse Verstappen, que teve a vantagem de não sofrer tanto com o spray como os demais pilotos, por liderar a prova. Mas o holandês precisava manter o equilíbrio. “Quando você está na frente, não quer arriscar demais, mas também não pode ir muito devagar. É preciso encontrar o meio-termo. Em uma pista tradicional como Zandvoort, um erro significa ir para a brita e sua corrida acaba.”

Já no Catar, palco da conquista do tricampeonato, o calor extremo e a alta umidade deixaram os pilotos exaustos e desidratados. “Seria ideal um pouco mais de frio. É desconfortável, não é agradável. Você via todo mundo sofrendo ao sair do carro”, comentou Verstappen. Aumentar o conforto com o ar-condicionado, porém, não é uma opção: “Não, não funciona assim. Mas acho que a partir do ano que vem, talvez tenhamos algum tipo de sistema de refrigeração em determinados pontos. Isso deve ajudar. No geral, acredito que o ano que vem será melhor”, completou o holandês.