F1: Tost relembra relacionamento com Mateschitz desde a Toro Rosso

Max Verstappen, Sebastian Vettel, Carlos Sainz e Daniel Ricciardo, são apenas alguns dos pilotos que devem suas carreiras na Fórmula 1, em grande parte, a Dietrich Mateschitz. Mas a influência do co-fundador da Red Bull se estendeu além dos cockpits. Franz Tost, chefe da AlphaTauri (ex-Toro Rosso), é outro que carrega uma dívida de gratidão para com o visionário que faleceu em 2022.

O encontro entre Tost e Mateschitz aconteceu em 1993, no circuito de Nürburgring. Uma ‘conexão imediata’ surgiu entre os dois, como Tost recorda. Em 2005, Mateschitz deu ao ex-piloto uma missão audaciosa: “Franz, vá para a Itália agora e construa uma equipe. Aproveite as sinergias com a Red Bull Technology e treine jovens pilotos.” Assim nasceu a Toro Rosso, que posteriormente mudou de nome para AlphaTauri.

“Ele era um visionário”, relembra Tost sobre Mateschitz. “Era muito fácil trabalhar com ele. Eu ligava, ele dizia sim ou não. A decisão era tomada em cinco segundos. Ele era um visionário. Mas ser visionário é uma coisa. Ele também transformava cada projeto em um sucesso. Você nunca vai encontrar outra pessoa como Dietrich Mateschitz.”

Inicialmente, o objetivo da Toro Rosso não era brigar por vitórias na F1, muito menos por títulos. O foco era treinar pilotos e e prepará-los para a Red Bull. Contudo, essa estratégia se complicou com a mudança de regulamentos, pois as equipes passaram a necessitar de total autonomia na construção de seus carros. A Toro Rosso precisou agir rapidamente e improvisar, montando instalações para a nova realidade em contêineres em Faenza.

Foi aí que surgiu o único momento de tensão entre Tost e Mateschitz. Para ampliar o espaço de trabalho, Tost precisou de um terreno ocupado por uma ‘árvore grande e velha’ em um parque da equipe. A decisão de cortá-la desagradou profundamente o ambientalista Mateschitz.

“Ele me perguntou: ‘Por que, Franz? Por que você cortou aquela árvore fantástica?’ Eu disse que precisávamos de espaço para trabalhar, não de árvores. E ele ficou chateado. Aquela foi a única vez que ele se irritou comigo”, concluiu Tost.

Apesar do breve atrito, a relação entre Tost e Mateschitz foi marcada por respeito e confiança. O legado do visionário austríaco permanece vivo na AlphaTauri, que evoluiu de uma ‘escola de pilotos’ para uma equipe que já desafiou a Red Bull no grid. A marca das decisões impetuosas e visionárias de Mateschitz continua a moldar o presente e o futuro da equipe italiana.