F1: Steiner aponta mudanças na estrutura para melhoria da Haas

A Haas não vai sair do lugar na F1 caso não faça mudanças estruturais, ao menos é o que crê Günther Steiner. Mesmo deixando o comando do time no início do ano, o italiano fez um balanço sobre o que seria necessário para deixar o fundo do pelotão.

A equipe estadunidense está tentando correr atrás do prejuízo após uma temporada 2023 de amargar. Sem resultados competitivos, terminou o campeonato na última colocação do Mundial de Construtores – nisso, demitiu Steiner e promoveu Ayao Komatsu.

As críticas vêm de todos os lados, inclusive de cima, do dono da esquadra, que pontuou ficar envergonhado com os resultados recentes.

Desde que chegou ao grid em 2016, a Haas, tem operado em bases na Inglaterra e Itália, em uma aliança técnica com a Ferrari. Entretanto, para Günther, com a introdução do teto de gastos em 2021, o modelo da equipe não tem mais sido benéfico.

“Eu queria investir na equipe, mas ele não queria. Simplesmente tínhamos visões diferentes de como as coisas deveriam acontecer. A maneira que a equipe se ajusta, não pode pedir muito mais. Isso não é uma crítica à equipe, mas a realidade”, comentou em entrevista Auto Motorsport.

“O teto de gastos mudou completamente a F1. A estrutura antiga já não funciona mais. McLaren, Williams e AlphaTauri têm investido por dois anos na infraestrutura, então, têm mais dinheiro para a operação do negócio. Se você não segue isso, não pode esperar conseguir acompanhar”, completou.