F1: Renault foi prejudicada por “quebra de acordo” dos demais fornecedores de motores, segundo Szafnauer

A Alpine vive um drama nos bastidores da Fórmula 1. O ex-chefe da equipe, Otmar Szafnauer, revelou em entrevista ao jornalista Peter Windsor, que os fabricantes de motores rivais da Renault, fornecedora de motores da equipe, não cumpriram um ‘acordo de cavalheiros’, que poderia reduzir a significativa diferença de potência que coloca a Alpine em desvantagem.

De acordo com Szafnauer, quando o congelamento do desenvolvimento de motores foi adotado no final de 2021, havia um entendimento tácito de que, caso a diferença entre os fabricantes ultrapassasse determinado limite, medidas seriam tomadas para equilibrar a concorrência. Afinal, o congelamento foi implementado, em parte, para facilitar a transição da Honda para a Red Bull e incentivar os fabricantes a se concentrar nas novas regras de 2026.

No entanto, apesar do apoio da FIA, que reconheceu a Renault estar fora dessa ‘janela de tolerância’ de potência, a Alpine teve que abandonar a proposta de equalização e se viu frustrada na tentativa de recuperar terreno. Szafnauer afirmou que os adversários negaram à Renault a chance de se aproximar, deixando a equipe presa à desvantagem por pelo menos mais dois anos.

“Esse déficit, infelizmente, vai permanecer até 2026. É muito difícil mudar o panorama agora”, lamenta o ex-chefe da Alpine. “Trabalhamos duro como equipe, mas a diferença de potência está congelada. Só podemos fazer modificações por questões de confiabilidade, o que não nos dá margem para aumentar a potência.”

Szafnauer acredita que, com o atual motor, a Alpine está impossibilitada de brigar pelas primeiras posições. “Para competir na frente, você precisa ter o melhor chassi, os melhores pilotos e tudo mais funcionando de forma excepcional para compensar o déficit do motor. E isso é praticamente impossível”, concluiu.

As declarações de Szafnauer revelam um clima tenso e a frustração da Alpine com a situação. Resta saber se a equipe conseguirá encontrar soluções alternativas para compensar a desvantagem ou se precisará esperar até 2026 para voltar a sonhar com pódios e vitórias.