F1: Quais são as possíveis estratégias de corrida para o GP da Emília-Romanha

Max Verstappen largará na pole position no Grande Prêmio da Emília-Romanha deste domingo, mas o holandês terá dois carros da Ferrari e Lando Norris logo atrás dele no grid de largada. O circuito de Ímola, conhecido por sua natureza estreita e cheia de ondulações, geralmente proporciona variações e dramas próprios, sem a necessidade de estratégias extremamente ousadas.

Embora a última corrida em Ímola, em 2022, tenha começado com pista molhada, há alguns pontos importantes a serem considerados. Naquela ocasião, a prova começou atrás do Safety Car, com todos os carros usando pneus intermediários. Conforme a pista secou, todos mudaram para o composto C3. Max Verstappen e Sergio Perez, da Red Bull, terminaram em primeiro e segundo lugar, respectivamente, com Perez sendo o primeiro dos líderes a parar na volta 18, seguido por Verstappen, Charles Leclerc e Lando Norris na volta seguinte.

Leclerc, que estava em terceiro lugar, tentou uma estratégia diferente e parou novamente na volta 49 para trocar para o composto C4, o que levou os pilotos da Red Bull a fazerem o mesmo nas voltas 50 e 51. Leclerc acabou rodando enquanto perseguia Perez, permitindo que Norris, Russell e Bottas terminassem à frente dele. Tsunoda, Vettel, Magnussen e Stroll completaram o top 10, todos com uma estratégia de uma parada usando intermediários e médios.

Em 2022, Ímola também sediou uma Sprint, onde a maioria dos pilotos optou por pneus C4, com alguns usando o C3. Este ano, os compostos são diferentes: os pneus médios e duros. A expectativa para a corrida deste ano é que a estratégia de uma parada, com início nos pneus médios e troca para os duros entre as voltas 21 e 27, seja a mais utilizada. Mario Isola, diretor de automobilismo da Pirelli, comentou: “É muito mais rápido que uma estratégia de duas paradas, calculamos aproximadamente 15 segundos mais rápido. Parece claro que todos tentarão a parada única”.

A possibilidade de um undercut será relativamente poderosa, mas é mais provável que os pilotos estendam seus stints iniciais esperando por um Safety Car, o que reduziria o tempo perdido na parada em 10 segundos. Embora Ímola não tenha muros tão implacáveis quanto Miami, a pista possui muitas áreas de brita, que foram movidas mais para perto da pista este ano. Isso aumenta a probabilidade de erros resultando em incidentes. “Vimos mais Safety Cars na Fórmula 2 e Fórmula 3 devido à brita extra, e isso mostra que um erro pode custar caro”, disse Isola. “Um Safety Car pode introduzir um elemento de imprevisibilidade.”

A volta mais provável para um Safety Car é a primeira. Caso isso aconteça, alguém pode tentar fazer toda a corrida com pneus duros. “Você pode fazer isso, mas é arriscado”, afirmou Isola. “Acredito que, para ser seguro, você deve rodar pelo menos 10-15 voltas.”

Verstappen está um pouco isolado na frente, com Perez largando em 11º. As equipes da McLaren, Ferrari, Mercedes e RB podem dividir suas estratégias. A opção mais sensata seria alongar e encurtar o stint no composto médio, mas alguns podem se sentir tentados a começar com pneus macios e ver o que podem fazer na largada. No entanto, essa é uma estratégia marginal. “Assumir um risco e começar com o macio… não tenho certeza”, disse Isola. “Talvez você possa pular para a frente na primeira curva e tentar manter a posição, mas a vantagem do macio sobre o médio, em termos de metros ganhos, é muito pequena.”

Reverter a estratégia de médio para duro tem potencial, especialmente para pilotos como Perez e Fernando Alonso, que estão fora de posição no grid. O pneu duro pode durar muito na corrida, e a expectativa é que alguns pilotos tentem um overcut enquanto esperam por um Safety Car. A versão ideal dessa estratégia teria um pitstop entre as voltas 34 e 40, mas para aqueles que forem além disso, a opção de duro para macio entra em jogo.

Embora o início da semana tenha sido sombrio, o clima em Ímola tem sido glorioso desde sexta-feira, mas há uma pequena chance de chuva na segunda metade da corrida, o que poderia mudar tudo. Se as nuvens chegarem e a pista esfriar, haverá um risco maior de graining, o que pode dificultar a saída dos carros na Rivazza 2, tornando-os vulneráveis a ataques de DRS na reta principal. Isso poderia empurrar os carros para uma estratégia de duas paradas, mas há muitos “se” nesse cenário.

O F1MANIA.NET acompanha ‘in loco’ todas as atividades do GP da Emília-Romanha, diretamente de Ímola, com o jornalista Rodrigo França.