F1: Proprietário tailandês da Red Bull estaria contra demissão de Horner

A investigação sobre Christian Horner, chefe da Red Bull Racing na Fórmula 1, por conduta inapropriada com uma funcionária, está causando um terremoto na estrutura da gigante de bebidas energéticas. De acordo com o site F1-Insider.com, a situação criou um ‘vácuo de poder’ com consequências potencialmente desastrosas para a empresa.

Enquanto o braço austríaco da Red Bull, dono de 49% da empresa, exige a saída de Horner, o principal acionista tailandês, com 51%, se recusa a demiti-lo. Essa discordância pode ter consequências sérias para a companhia multibilionária, com suspeitas de que o ‘Horner-gate’, como já está sendo chamado, possa se tornar um ponto de ruptura na empresa.

Além disso, a própria investigação parece estar comprometida. O advogado contratado para conduzi-la de forma independente foi escolhido pelo lado tailandês, defensor de Horner, e nem sequer finalizou o relatório. Ele teria saído de férias sem dar um retorno para a equipe.

Essa disputa interna se soma à própria investigação, que ainda não foi concluída. Com os ânimos exaltados e a transparência da investigação sendo bastante questionada, resta saber qual será o desfecho da situação, e se ela realmente irá representar um divisor de águas para a Red Bull.

Algo que muitas pessoas notaram durante a apresentação do RB20 na última quinta-feira, é que apesar de estar presente e responder às perguntas da apresentadora do evento, e posteriormente a alguns questionamentos de jornalistas, Horner parecia um tanto quanto constrangido. Agora resta aguardar o desenrolar dos acontecimentos e as consequências para a equipe e para o próprio Horner.