F1: Leclerc admite erro na classificação e vê Q3 como ponto fraco

Charles Leclerc ficou com a quarta posição no GP do Japão de Fórmula 1, mas o piloto da Ferrari não escondeu a frustração por ter ficado fora do pódio. O grande culpado, segundo o próprio Leclerc, foi seu desempenho na sessão de classificação.

Apesar da bela recuperação de oito posições na corrida em Suzuka, Leclerc reconheceu a falha em colocar os pneus na janela ideal de funcionamento durante o Q3. Isso o obrigou a largar em oitavo e dificultou a briga por um lugar entre os três primeiros.

Leclerc adotou uma estratégia alternativa, com apenas uma parada nos boxes, que se mostrou acertada. O ritmo forte durante a corrida surpreendeu McLaren, Mercedes e Aston Martin. O monegasco foi o único piloto entre os favoritos a fazer apenas um pit stop, explorando um erro estratégico da Mercedes.

Na briga final pelo pódio, Leclerc chegou a estar em terceiro, mas foi superado pelo companheiro de equipe Carlos Sainz, que tinha pneus bem mais novos. Com uma melhor posição de largada, fruto de uma boa classificação, o pódio seria bem mais provável para Leclerc.

O piloto de 26 anos se mostrou incomodado com o desempenho recente em sessões de classificação, algo incomum para ele, que sempre foi forte em voltas únicas ao longo da carreira.

“Não acho que havia muito o que fazer hoje”, disse Leclerc à imprensa. “Mas no fim das contas, estou feliz. Não poderíamos ter feito muito melhor. O ritmo estava ótimo, a gestão de pneus funcionou bem, a comunicação também. Porém, como piloto, você sempre precisa analisar os pontos negativos do fim de semana.”

“Seja na Austrália ou aqui, o ritmo de corrida não tem sido problema. É a minha classificação que não está boa. Não estou acostumado a ter que trabalhar tanto no acerto para o Q3, porque normalmente é algo forte no sábado para mim. Mas por duas corridas seguidas, tenho lutado para colocar os pneus na janela ideal. Esse é definitivamente meu foco agora para Xangai, tentar encontrar o ajuste correto e ser mais consistente”, acrescentou.

Leclerc sempre foi conhecido pela forte velocidade nas sessões de classificação, mas isso tem faltado recentemente. Em Suzuka, ele atribuiu o desempenho ruim no Q3 a um ‘mau trabalho’ na volta de preparação.

Apesar de reconhecer a necessidade de melhora, Leclerc confia que tem tempo suficiente para analisar os dados antes do GP da China. “Minhas voltas não estavam ruins ontem, a volta que fiz foi boa de verdade, mas a aderência que deveria vir dos pneus simplesmente não estava lá. E isso é porque fiz um péssimo trabalho na volta anterior, o que é bem frustrante. Você termina uma volta achando que está tudo bem, mas na verdade não está em lugar nenhum. Então preciso focar nisso. São diferenças bem pequenas, mas estou confiante de que, analisando os dados, vamos conseguir. Tenho algum tempo até Xangai, e quando foco em algo, sou bom. Não estou muito preocupado, mas preciso dar esse passo adiante para a China”, finalizou o monegasco.