F1: Leclerc, a busca pela supremacia na Ferrari e o desafio de superar Sainz

Na temporada de F1 que se aproxima, Leclerc enfrenta o desafio de se afirmar sobre Sainz para alcançar o topo na Ferrari

Charles Leclerc abordou sua extensão de contrato com a Ferrari nas redes sociais como “O sonho continua”, antecipando a nova temporada de F1.

A Ferrari lança o carro que Leclerc espera levar a um primeiro campeonato de pilotos em 13 de fevereiro, esperando construir sobre o fato de ser a única equipe a evitar um domínio completo da Red Bull nas vitórias dos Grandes Prêmios na última temporada, embora essa vitória tenha sido coletada por Carlos Sainz.

Para que o sonho de Leclerc na Ferrari se torne realidade, afirmar-se sobre Sainz como o piloto número um na Scuderia deve ser sua principal prioridade.

Leclerc juntou-se à Ferrari ao lado de Sebastian Vettel em 2019 e impressionou com performances de qualificação estelares, resultando em várias vitórias – embora algumas oportunidades tenham sido perdidas por erros, que poderiam ser atribuídos à experiência.

No entanto, a Ferrari retrocedeu em 2020 com uma unidade de potência abaixo do esperado, onde Leclerc ainda brilhou quase sozinho para poupar as bochechas da Scuderia na classificação de construtores, mesmo que a equipe tenha sofrido sua pior pontuação desde 1980.

Os desafios significaram que 2021 foi um ano de preparação para 2022, onde Leclerc e Ferrari tiveram um início voador com as novas regulamentações técnicas da F1.

Duas vitórias das três primeiras corridas e uma vantagem enorme sobre Max Verstappen da Red Bull – que se retirou duas vezes nesse período – fizeram de Leclerc o grande favorito para o título, apenas para uma série de problemas de confiabilidade, erros de pit-stop e erros do piloto descarrilarem sua campanha.

A Red Bull ampliou sua vantagem na última temporada, com a forma inicial da Ferrari provando ser demais para superar e terminar em segundo lugar na classificação de construtores, sendo forçada a terminar em terceiro atrás da Mercedes.

Enquanto os testes recentes podem ter atingido Leclerc – seu grito assustador pelo rádio da equipe na França dois anos atrás ainda ecoa nos ouvidos dos fãs da Ferrari – nada pesará mais em sua mente do que o triunfo de Sainz em Singapura.

Leclerc é visto como o garoto-propaganda da Ferrari: ele foi quem subiu pelas fileiras júnior da marca italiana, ele foi quem foi promovido após um único ano na F1, ele foi quem foi apontado como um futuro campeão como parte da geração dourada do esporte – a habilidade de Sainz ameaça tirar isso dele.

O espanhol teve uma vitória dominante e, somada à sua vitória em Silverstone em 2022, significa que Sainz ganhou duas corridas para a uma de Leclerc desde o início da temporada daquele ano.

Leclerc terminou 62 pontos à frente de Sainz em 2022, mas os papéis foram invertidos na temporada anterior, enquanto o espanhol estava a apenas seis pontos de diferença no final da última temporada.

Isso significa que a Ferrari não pode implementar nenhum tipo de hierarquia de equipe entre os pilotos no início da temporada e ajudar Leclerc a maximizar os pontos de corrida para corrida, como, por exemplo, Michael Schumacher conseguiu ao lado de Rubens Barrichello e Eddie Irvine, ou mesmo Max Verstappen tem sido capaz de fazer com a Red Bull.

Se o novo maquinário da Ferrari corresponder ao da Red Bull nesta temporada, a forma sugeriria que a luta pelo título se resumiria a Verstappen contra ambos os pilotos da Ferrari. Se ambos estiverem na batalha, como um pode ser favorecido? A Red Bull poderia colocar todos os ovos em uma cesta e isso provavelmente inclinaria a luta a favor do holandês.