F1: Ex-piloto critica Massa por processo sobre 2008

Felipe Massa está enfrentando críticas após iniciar um processo contra a FIA, a Formula One Management (FOM), e Bernie Ecclestone em relação à temporada 2008 da Fórmula 1, especificamente sobre o GP de Singapura daquele ano.

Massa alega que era o ‘legítimo campeão’ naquela temporada e está buscando US$ 82 milhões como forma de compensação, incluindo prêmios perdidos e danos decorrentes de perdas de ganhos que teria obtido se tivesse conquistado o campeonato. Seus advogados, que anteriormente afirmaram que Lewis Hamilton deveria renunciar ao título, confirmaram que apresentaram a ação legal no Tribunal Superior de Londres na segunda-feira passada.

O ex-piloto de F1, agora com 42 anos e correndo na Stock Car, foi superado por apenas um ponto na classificação final, após Hamilton passar Timo Glock na última volta do GP do Brasil de 2008 em Interlagos. No entanto, sua ação legal se concentra principalmente no resultado de outra corrida, o GP de Singapura, onde ele acredita que foi prejudicado pelo escândalo conhecido como ‘Crashgate’.

Esses esforços de Massa para mudar o resultado de um campeonato da F1 dezesseis anos depois, foram criticados pelo ex-piloto de F1, Heinz-Harald Frentzen. O ex-piloto da Sauber, Jordan e Williams comparou a situação à sua própria experiência em 1997, quando terminou atrás de Jacques Villeneuve, sugerindo que é tarde demais para alterar o resultado.

“Acho que Jacques em 1997 usava combustível ilegal, também estou procurando um advogado”, brincou Frentzen, escrevendo em sua conta oficial no X. “Por favor, para quem não me achou engraçado, usei o mesmo combustível do Jacques e terminei oficialmente em 2º lugar no campeonato da F1. Mas falando sério, dessa vez, minha opinião é que o esporte que amamos é tão bom quanto foi projetado para ser. As regras tradicionais dizem que duas horas após a confirmação dos resultados oficiais, não há mais possibilidade de recurso”, afirmou Frentzen.

O escritório brasileiro de advocacia Vieira Rezende, representando Massa no caso, afirmou que ‘se a FIA tivesse agido corretamente, o Sr. Massa teria vencido o Campeonato de Pilotos naquele ano’.

Em 2023, Ecclestone afirmou que ele e o ex-presidente da FIA, o já falecido Max Mosley, estavam cientes de uma possível violação durante a temporada de 2008, mas decidiram não fazer nada. Os advogados de Massa também se referem aos comentários de Ecclestone, nos quais ele admitiu que aquela corrida deveria ter sido cancelada, o que teria tornado Massa campeão em 2008.