F1: Diretor da Williams quer mentalidade vencedora na equipe para alcançar seus objetivos

O Diretor Técnico da Williams, Pat Fry, destacou a necessidade de desenvolver uma ‘mentalidade vencedora’ na equipe, para alcançar seu objetivo de entrar na disputa por títulos na Fórmula 1.

Após terminar na última posição do campeonato pela terceira vez consecutiva em quatro anos, com o retorno à tecnologia de efeito solo no ano passado, a Williams mostrou alguma evolução, conquistando a sétima posição entre os construtores em 2023.

Sob a liderança de James Vowles, ex-Diretor de Estratégia da Mercedes, a equipe, que introduziu apenas um pacote de atualizações em junho no Canadá, segurou um avanço da AlphaTauri no final da temporada 2023, conquistando sua melhor colocação em seis temporadas.

Fry, que se juntou à Williams após deixar a Alpine este ano, afirmou que a equipe britânica deve começar a desenvolver uma mentalidade vencedora imediatamente.

“O objetivo final é ser um competidor pelo campeonato”, afirmou Fry. “Em 2-3-4 anos, precisamos entrar na briga, entrar no top três. É um desafio difícil quando estamos construindo a partir de onde estamos, mas acredito que é possível.”

“Inspirado pela filosofia de Ron Dennis: ‘O segundo é o primeiro dos perdedores’, e pelos cinco anos na Ferrari onde celebramos apenas vitórias, acho que sou influenciado por isso. Então, precisamos reconstruir para ser uma equipe vencedora”, acrescentou.

Fry destacou também a importância de estabelecer uma visão geral para a equipe, começando com objetivos claros, como vencer o campeonato em cinco anos. Ele ressaltou a necessidade de desenvolver ferramentas, aprimorar a equipe e cultivar uma mentalidade vencedora.

“Em uma equipe que foi subfinanciada, você acaba com sistemas individuais em cada lugar e está construindo uma empresa sem uma visão geral. O primeiro passo é estabelecer essa visão geral. Então, começa com algo como: ‘Vencer o campeonato em cinco anos’. Abaixo disso, precisamos colocar as ferramentas no lugar. Temos que desenvolver as pessoas, temos que desenvolver a mentalidade. Mapear é fácil, fazer é difícil”, disse ele.

Fry, que mantém a mesma posição que tinha na Alpine, revela que já está planejando cada divisão técnica para além das aspirações de curto prazo da Williams.

“O primeiro passo que estou dando, é identificar quais ferramentas e tecnologia precisamos daqui a cinco anos. Você tem que pensar tão adiante, porque muitas dessas coisas levam tanto tempo para serem implementadas. Já estou tendo essas conversas com os vários gerentes dos departamentos. É bom ter a ideia deles de onde estamos, para onde precisamos ir, e então tentar reunir tudo”, encerrou Fry.