F1: Chefe da Ferrari diz que equipe sabia de problemas no carro já no início de 2023

O chefe da Ferrari, Frederic Vasseur, afirmou que a equipe já sabia que não estaria em posição de desafiar o título antes mesmo dos testes de pré-temporada da Fórmula 1 no início de 2023.

A equipe italiana esperava construir sobre uma temporada de 2022 relativamente encorajadora, que a viu retornar às vitórias no primeiro ano da era de regulamentos de efeito solo da F1.

No entanto, a competitividade da Ferrari foi prejudicada desde o início desta temporada por um carro SF-23 caprichoso, uma evolução do F1-75 que ficou em segundo lugar no campeonato do ano passado.

Apesar de entrar nas férias no meio do ano em quarto lugar na classificação, a Ferrari se recuperou para conquistar a única vitória fora da Red Bull e ficou a três pontos de superar a Mercedes para o segundo lugar entre os construtores.

Vasseur afirmou que a Ferrari já estava ciente de que entraria na temporada em desvantagem, tendo identificado problemas com seu carro de 2023 através do simulador.

“Com certeza acho que o nível de expectativa estava um pouco alto no início da temporada e entendemos rapidamente a situação”, disse Vasseur. “Acho que depois de algumas voltas no Bahrein. E até mesmo algumas voltas no simulador antes de irmos para o Bahrein.”

Apesar de introduzir uma versão da solução de sidepod downwash, como o da Red Bull, no meio do ano, o teto de gastos significava que a Ferrari estava restrita pela arquitetura de seu conceito de especificação de lançamento. A adição de um assoalho revisado no Japão, a última grande atualização da Ferrari este ano, ajudou a ampliar a janela de operação do SF-23, permitindo que Charles Leclerc progredisse no final.

“Estou mais do que satisfeito porque entre Zandvoort e hoje, não mudamos muito o carro”, continuou Vasseur. “Tivemos uma atualização no Japão, eu acho, mas basicamente mantivemos o mesmo carro e fomos capazes de fazer um trabalho muito melhor com um melhor entendimento do carro, uma melhor configuração e uma melhor abordagem dos pilotos. Temos espaço para melhorias em todos os lugares e esse sentimento é bom para desenvolver algo para o próximo ano”, disse ele.

Com a Ferrari optando por uma nova filosofia de carro para a próxima temporada, Vasseur enfatizou a necessidade da equipe ganhar terreno em todas as áreas para emergir como um time desafiante da Red Bull. Isso inclui melhorar os lados operacional e de confiabilidade, que o francês aponta que custaram à equipe de Maranello uma infinidade de pontos ao longo do ano.

“Acho que o erro seria imaginar que a Red Bull, eles têm uma bala mágica de cinco décimos ou que demos um passo em algo”, disse Vasseur. “O desempenho vem de toda parte da empresa, do fato de podermos produzir peças mais rápido, de termos uma melhor confiabilidade.”

“Perdemos muitos pontos nesta temporada por diferentes razões, por confiabilidade, por desclassificação em Austin, por impedimento na sessão de classificação, mas temos que trabalhar. E temos que melhorar em aerodinâmica, no motor, em todos os tópicos. Não é que temos algo errado e que você resolve e dá um passo de quatro ou cinco décimos.”

“O mais importante é que as mil pessoas que temos na equipe estão convencidas de que são todas contribuintes, e estão todas tentando forçar um pouco o limite, mesmo que seja por milésimos de segundos que são suficientes para dar um grande passo”, finalizou o chefe da Ferrari.