F1: Batida de Albon na Austrália atrasou atualizações da Williams

A Williams enfrenta um contratempo no início da temporada 2024 da Fórmula 1. A equipe precisa reconstruir o chassi do piloto Alex Albon, que sofreu um forte acidente durante o TL1 para o Grande Prêmio da Austrália. O chefe de equipe, James Vowles, reconheceu que o incidente ‘sem dúvida’ atrasará os planos de desenvolvimento do time britânico.

O forte impacto na curva 6 impossibilitou o conserto do chassi original na Austrália, obrigando a Williams a disputar a corrida com apenas um carro. A equipe de Grove sequer contava com um chassi reserva, o que forçou Logan Sargeant a ficar de fora da prova para que Albon pudesse correr.

A Williams ainda não pontuou em 2024, e Vowles classifica a situação como inaceitável. Além disso, o acidente compromete a capacidade da equipe de recuperar terreno em relação aos concorrentes.

“Sem dúvida, o acidente vai atrapalhar”, disse Vowles ao Planet F1 sobre o impacto da batida de Albon. “Nenhuma equipe planeja não ter um terceiro chassi na Fórmula 1 moderna. A última vez que isso aconteceu comigo foi em 2009, quando ainda estava na Brawn GP.”

A Williams apostou em uma grande reformulação para a temporada 2024, com o novo carro FW46. Para colocar os dois pilotos na pista desde a corrida de abertura, a equipe precisou trabalhar com prazos apertados. Vowles admite que a construção de um chassi reserva acabou sendo sacrificada, e a reconstrução do chassi de Albon desviará recursos e tempo de atualizações planejadas.

“É por isso que estamos nessa situação. Estamos atrasados com tudo”, disse Vowles. “À medida que implementamos novos processos e transformações, algo fica para trás. No caso, foi o terceiro chassi. Isso significa que, no momento, temos atualizações e outros itens planejados, mas terei que redirecionar toda a equipe para consertar o chassi sem perder o ritmo que temos nas atualizações”, concluiu.

Apesar do contratempo, a Williams confirmou que deve concluir o reparo do chassi danificado a tempo do GP do Japão, permitindo o retorno de Sargeant às pistas. No entanto, a equipe vai encarar o circuito de alta velocidade de Suzuka pelo quarto GP consecutivo sem um chassi reserva.