WEC: Toyota lamenta problemas que custaram vitória épica em Le Mans

Jose Maria Lopez acredita que dois furos lentos e problemas de motor foram fatores decisivos que impediram o carro No. 7 da Toyota Gazoo Racing de conquistar a vitória nas 24 Horas de Le Mans.

O Toyota GR010 Hybrid No. 7, compartilhado por Lopez, Kamui Kobayashi e Nyck de Vries, ficou a apenas 14.221 segundos de alcançar a sexta vitória consecutiva da marca japonesa, enquanto a Ferrari garantiu vitórias consecutivas na clássica prova de resistência francesa.

Apesar da equipe ter sofrido dois furos, um enquanto Kobayashi estava ao volante nas primeiras horas da manhã e outro quando Lopez assumiu para o último stint duplo na última hora, o carro também enfrentou problemas de motor. Lopez acredita que, sem esses contratempos, a Toyota poderia ter saído vitoriosa.

“Estávamos sempre voltando e algo acontecia,” disse Lopez, que foi convocado para a equipe como substituto de última hora do lesionado Mike Conway. “Perdemos tempo nas zonas lentas, tivemos dois furos, um com Kamui e outro comigo assim que saí da garagem para os últimos dois stints, quando estava seco. Kamui teve um problema no motor, e eu também tive um.”

Lopez destacou que, apesar dos problemas, a equipe teve um desempenho admirável. “Não gosto de pensar em ‘e se’, mas definitivamente tínhamos ritmo. Fizemos a volta mais rápida da corrida, minha volta foi removida por limites de pista, mas também foi a mais rápida.”

Lopez também sofreu uma rodada na chicane Dunlop na última hora, o que fez com que perdesse tempo em relação aos rivais. O argentino descreveu a rodada como “estranha”, sugerindo que pode ter sido causada por “frenagem do motor ou algo no sistema”, mas negou que isso tenha custado a vitória à Toyota.

“Felizmente, não perdi muito,” disse ele. “Foi apenas uma rodada rápida, perdi apenas dez segundos. A Ferrari estava controlando no final. A diferença real era maior.”

David Floury, diretor técnico da Toyota Gazoo Racing, explicou que os problemas do motor foram causados por um sensor e, em seguida, por uma troca de interruptor. “Não temos a troca de interruptor na telemetria porque não é permitido. Tivemos que dizer a ele [Lopez] o que fazer enquanto dirigia.”

No entanto, Floury acredita que os furos lentos foram mais prejudiciais do que os problemas de motor. “Tivemos dois furos lentos, e em ambos os casos tivemos que fazer paradas adicionais fora da nossa janela.”

Questionado se a Toyota era mais rápida do que a Ferrari, Floury respondeu: “Em ritmo absoluto, acho que a Ferrari era um pouco mais rápida. Considerando todas as condições, degradação, acho que fomos fortes.”

O carro No. 8 da Toyota, pilotado por Brendon Hartley, Ryo Hirakawa e Sebastien Buemi, terminou em quinto, perdendo terreno quando o Ferrari de Alessandro Pier Guidi fez Hartley rodar a duas horas do fim. Hirakawa identificou este momento como o ponto em que a chance de vitória do carro No. 8 foi efetivamente encerrada.

“Nós tivemos uma chance de ganhar,” disse Hirakawa. “Eu estava liderando a corrida antes de termos alguns safety cars, zonas lentas. É uma pena. Fizemos o que podíamos. É muito difícil prever o tempo, e é fácil falar depois. Apenas antes da chuva chegar, tivemos um pouco de ritmo. A chuva não foi realmente a nosso favor no final. Mas isso é Le Mans. Voltaremos mais fortes.”

Esta análise mostra como os desafios enfrentados pela Toyota durante as 24 Horas de Le Mans impactaram o desempenho da equipe, com vários fatores contribuindo para um resultado frustrante, mas também destacando o esforço e a determinação dos pilotos e da equipe técnica.