F1: Wolff revela que Alonso desconsiderou interesse da Mercedes para 2025

Toto Wolff, chefe da Mercedes, revelou que Fernando Alonso recusou o interesse da equipe Mercedes em uma possível mudança antes de renovar seu contrato com Aston Martin na F1.

A decisão de Lewis Hamilton de ativar uma cláusula de saída em seu contrato com a Mercedes, buscando uma transferência para a Ferrari a partir de 2025, criou uma vaga na equipe. Wolff mencionou que a Mercedes estava aberta a todas as opções, desde o Andrea Kimi Antonelli, Carlos Sainz da Ferrari e Fernando Alonso. Mas, Alonso retirou seu nome da lista ao assinar uma extensão de contrato de vários anos com Aston Martin em abril.

Alonso confirmou que houve conversas com a Mercedes, e Wolff disse ao Mundo Deportivo que o espanhol estava entre as opções consideradas: “Claro, no início do ano consideramos a opção de Fernando Alonso, mas naquela época Fernando não estava interessado em dirigir para a Mercedes, além disso, ele foi oferecido um contrato de longo prazo na Aston Martin. Foi assim que percebemos na época,” disse Alonso.

A decisão de Alonso de desconsiderar uma possível mudança para a Mercedes se deu enquanto a equipe ainda lutava com as regulamentações atuais e um carro W15 inconsistente. Desde então, a Mercedes fez progressos significativos, alcançando vitórias consecutivas, enquanto Aston Martin regrediu.

Wolff declarou que Alonso merecia mais do que os dois títulos de F1 que possui, mas suas escolhas de carreira o impediram de alcançar mais sucesso. “Concordo com essa lista”, disse Wolff sobre Max Verstappen, que nomeou Michael Schumacher, Alonso, Hamilton, Ayrton Senna e Juan Manuel Fangio como os melhores pilotos da F1.

“Mesmo que haja pilotos na história que tenham mais títulos do que Fernando. Fernando teria tido muitos mais títulos se tivesse gerido sua carreira de forma diferente,” acrescentou.

Alonso era conhecido por buscar uma vaga na Mercedes durante o período dominante da equipe entre 2014 e 2020, mas a oportunidade nunca se concretizou. Wolff explicou que a tumultuada temporada de Alonso ao lado de Hamilton na McLaren em 2007 e o escândalo de espionagem contribuíram para isso. “Não acho que ele poderia ter assinado pela Mercedes após os episódios da McLaren. Dieter Zetsche (chefe da Mercedes-Benz até 2019) estava na McLaren e na Mercedes depois. Então essa porta estava praticamente fechada,” finalizou.