F1: Wolff desvincula incidente entre Verstappen e Norris dos confrontos de 2021

O chefe da Mercedes, Toto Wolff, negou a alegação de que o confronto de Max Verstappen com Lando Norris no Grande Prêmio da Áustria de F1 derivou de incidentes não punidos. Verstappen e Norris se desentenderam na Curva 3 com sete voltas restantes enquanto lutavam pela liderança, resultando em pneus furados para ambos os pilotos e arruinando suas esperanças de vitória.

Norris criticou o que ele percebeu como movimentos “imprudentes” sob frenagem de Verstappen, enquanto os comissários responsabilizaram o último com uma penalidade de tempo de 10 segundos. Mas, enquanto Verstappen negava as acusações contra ele, o chefe da equipe McLaren, Andrea Stella, argumentou que a abordagem inflexível do piloto holandês não era novidade.

No entanto, Wolff, que estava no centro daquela emocionante batalha pelo campeonato há três temporadas, rejeitou a noção de que comparações deveriam ser feitas entre os dois.

“Eu não acho que você pode tirar essa conclusão. Já faz tanto tempo e do nosso lado. Estamos em um lugar diferente hoje, e acho que ele também está. São necessários dois para dançar tango. Para ser honesto, eu não vi a corrida de Lando e Max. Eu não vi como tudo isso aconteceu. Eu preciso assistir primeiro antes de ter uma opinião, mas eu não veria isso como uma grande consequência de 2021 não ter sido bem gerenciado para o que aconteceu em 2024,” disse Wolff quando a visão de Stella foi apresentada a ele após a corrida.

A Mercedes é conhecida por estar cortejando Verstappen, caso ele deixe a Red Bull, embora Wolff tenha insistido que a equipe precisa melhorar sua velocidade na pista. O recente aumento de competitividade da equipe alemã colocou George Russell em posição de capitalizar o toque para conquistar a primeira vitória da equipe desde novembro de 2022.

No entanto, Wolff admitiu que a Mercedes deve focar mais em ganhar desempenho para estar em posição de garantir vitórias por mérito e atrair o tricampeão de F1.

“Precisamos que dois batam na frente para ganhar no momento”, ele admitiu. “Acho que ainda precisamos olhar para nós mesmos e dizer o que podemos fazer para ter um carro que nos permita competir com esses dois na frente? E fazer isso mais regularmente. Este é um momento em que podemos dizer que podemos ser um porto seguro, um destino para os melhores pilotos, incluindo Max. Mas ainda não estamos lá, então eu nem mesmo… Então, se eu fosse ele, eu nem estaria considerando tal mudança, ainda,” finalizou.