F1: Russell revela que os carros da F1 em 2026 podem ser mais “arriscados”

George Russell, piloto da Mercedes, acredita que os carros de Fórmula 1 de 2026 podem ser “arriscados” em altas velocidades devido à configuração de baixa downforce nas retas. As regulamentações preliminares de chassi e aerodinâmica para a temporada de 2026 foram reveladas antes do Grande Prêmio do Canadá.

Um dos pontos principais nas novas regulamentações é a inclusão de aerodinâmica móvel para conservar energia nas unidades de potência híbridas. As regulamentações propostas incluirão elementos móveis nas asas dianteira e traseira que funcionarão de forma semelhante ao DRS, permitindo que os carros entrem em um modo de baixo arrasto nas retas, resultando em maiores velocidades máximas e, segundo Russell, em um risco aumentado.

Russell, diretor da Associação de Pilotos de Grandes Prêmios (GPDA), acredita que os carros de F1 de 2026 “serão excepcionalmente rápidos nas retas, provavelmente 360 km/h na maioria dos circuitos, o que é bastante impressionante.”

“Você pode imaginar em uma corrida que começa a chover e você está com pneus slicks, fazendo 250 milhas por hora em um circuito de rua, Isso vai ser um lugar um pouco arriscado de estar, então essas são questões que precisam ser respondidas,” disse Russell.

Como diretor da GPDA, a segurança é uma preocupação central para Russell, parte de seu papel representando os interesses de seus colegas pilotos. O britânico reconheceu que a história do esporte tem mostrado que as implicações de segurança são muitas vezes reativas, em vez de proativas. “Quando se trata de segurança, infelizmente, a história nos diz que incidentes precisam acontecer antes que mudanças sejam feitas”, argumentou.

“Todos precisam fazer um trabalho realmente minucioso antes dessas regulamentações, porque os carros vão ser muito rápidos. Para ser justo com a FIA, eles estão plenamente cientes disso e estão no topo da situação, e estão analisando todos os possíveis cenários do que pode acontecer. O tempo dirá, mas os carros já são incrivelmente rápidos como são. Onde vamos parar, vamos chegar a 400 quilômetros por hora? Os fãs realmente precisam ou querem ver isso?,” acrescentou.

Além das preocupações com a segurança, Russell também falou sobre as características de direção que resultarão das regulamentações de 2026. A F1 e a FIA estão se esforçando para melhorar o espetáculo das corridas na série e uma das consequências disso é uma potencial redução na downforce gerada pelos novos carros e, por sua vez, nas velocidades em curvas.

Russell está dividido entre os carros de F1 com alta downforce e aqueles capazes de corridas mais próximas. “Do ponto de vista do piloto, você quer os carros mais rápidos, você quer sentir que está em um caça e, em 2020 e 2021, era assim que parecia, e agora esses carros estão ficando muito rápidos novamente, seria uma pena perder um pouco desse desempenho do carro. Mas, por outro lado, melhorará as corridas se houver menos downforce e menos ar sujo. Você não pode ter tudo e tem que escolher suas batalhas. O que queremos alcançar? Para mim, você quer ter boas corridas, duras, e forte competição, idealmente, entre todas as equipes e todos os pilotos,” finalizou.