F1: Polícia investiga autor de e-mails anônimos direcionados a Mercedes e a Hamilton

Toto Wolff, chefe da Mercedes, afirmou que a equipe tem recebido e-mails anônimos, e que a polícia já foi acionada. 

Supostamente, o autor das mensagens seria alguém dentro da Mercedes, para o que Wolff respondeu, negando: “Não é de um membro da equipe”.

“Quando recebemos esses tipos de e-mails, e estamos recebendo toneladas deles, é perturbador. Particularmente quando alguém fala sobre morte e todas essas coisas. Portanto, neste caso específico, instruí a ir com toda força. Temos a polícia investigando isso”.

“Estamos pesquisando o endereço IP, estamos pesquisando o telefone, tudo isso porque os abusos online dessa forma precisam parar. As pessoas não podem se esconder atrás de seus telefones ou computadores e abusar de equipes ou pilotos dessa maneira”.

Os e-mails mal-intencionados direcionados a equipe, mencionam que Lewis Hamilton está sendo sabotado pela Mercedes. Wolff afirma que tal tipo de declaração só pode partir de “lunáticos”.

“Não sei o que alguns dos teóricos da conspiração e lunáticos pensam por aí. Lewis [Hamilton] fez parte da equipe por 12 anos, temos uma amizade, confiamos um no outro. Queremos terminar isso em alta, queremos celebrar o relacionamento”.

“E se você não acreditar em tudo isso, pode acreditar que queremos ganhar o campeonato mundial de construtores e parte do campeonato mundial de construtores é fazer com que ambos os carros vençam. Então, para todas essas pessoas loucas por aí: procurem um terapeuta.”

Uma versão do e-mail diz o seguinte: “Alguns de nós na equipe estão insatisfeitos com a sabotagem sistemática de Lewis, seu carro, sua estratégia de pneus, sua estratégia de corrida, sua saúde mental e a maneira não profissional como Toto, George e outros o estão tratando”.

“Lewis está excluído e algumas coisas desonestas estão acontecendo que as pessoas precisam saber. Façam as perguntas e a verdade virá à tona, está tudo nos dados e está registrado”.

“Com exceção de Bono [Pete Bonnington, engenheiro de corrida de Hamilton] e aqueles de nós que amam Lewis, outros estão em um caminho perigoso que pode, em última análise, ser uma ameaça à vida de Lewis, de outros pilotos e até do público. Uma estratégia de pneus frios é uma sentença de morte.”