F1: McLaren e FIA discutem possível violação de diretrizes por Verstappen

O chefe de equipe da McLaren, Andrea Stella, confirmou que teve conversas com a FIA para esclarecer suas “opiniões iniciais” de que Max Verstappen violou as diretrizes de padrões de condução durante o Grande Prêmio da Áustria de F1. O debate em torno da colisão entre Lando Norris e Verstappen, bem como os incidentes que arruinaram suas corridas, continuou a gerar discussões durante a última semana.

No centro da controvérsia está a questão de saber se Verstappen se moveu sob frenagem ao defender sua posição contra Norris, uma manobra que o tricampeão de F1 insiste não ter ocorrido.

As diretrizes de padrões de condução afirmam que “ao defender, não deve haver mudança de direção pelo carro defensor após o início da fase de desaceleração, exceto para seguir a linha de corrida.” No entanto, essas diretrizes estão sujeitas a interpretações, considerando circunstâncias como a manobra ser tardia ou otimista, o tipo de curva, a idade dos pneus e outros fatores.

Em uma entrevista à Sky Sports F1 após o treino de sexta-feira para o Grande Prêmio Britânico, Stella explicou:

“Para mim, há dados, vídeos, fatos, análises, dados de GPS, nos quais gastamos bastante tempo tentando confirmar nossas opiniões iniciais, e tenho que dizer que nossas opiniões iniciais foram confirmadas.”

Sobre a questão de Verstappen ter mudado de direção sob frenagem, Stella respondeu:

“Sim, definitivamente. E como eu disse, logo após a corrida, se essas manobras tivessem sido abordadas imediatamente, com um aviso, com uma bandeira preta e branca, não teria havido escalada. Isso é claro, e isso é claro para os comissários também. Agora é hora de seguir em frente, aprender o máximo possível com as oportunidades que tivemos, e havia muitas informações vindas da Áustria, para colocar a Fórmula 1 em uma posição melhor em termos de política e aplicação dos regulamentos que já estão em vigor sobre como correr.”

Stella então confirmou que levantou a questão com a FIA, em vez de abordar a Red Bull diretamente, e enfatizou que não há animosidade em relação aos seus rivais sobre esta questão controversa.

“Nossa contraparte nesse tipo de conversa é a FIA. Ok, não há nada pessoal, não há nada polarizado. Eu acho que disse imediatamente [após a corrida] que temos muito respeito pela Red Bull, por Max, pelo que eles alcançaram, mas nossa contraparte é a FIA e os comissários. Buscamos esclarecimento e ficamos satisfeitos com a resposta que recebemos dos comissários e da FIA,” finalizou.