F1: Diretor técnico da Mercedes não ficou surpreso com saída de Hamilton: “Estava preparado”

O diretor técnico da Mercedes, James Allison, revelou que a equipe estava “preparada” para a possibilidade de perder Lewis Hamilton, afirmando que, caso contrário, não teriam permitido a cláusula de saída no contrato de extensão que o piloto assinou na última temporada.

Em entrevista ao podcast Beyond the Grid, Allison comentou que, embora o momento da decisão tenha sido inesperado, a saída de Hamilton para a Ferrari em 2025 não foi uma surpresa total. “Não muito”, respondeu Allison ao ser questionado sobre seu nível de surpresa. “Fiquei surpreso com a maneira como aconteceu, o momento, mas eu estava ciente da natureza do contrato que oferecemos e o contrato que oferecemos permitia que isso acontecesse.”

Hamilton, informou à Mercedes sobre sua decisão durante a pré-temporada. Após um dia de especulação no início de fevereiro, a equipe de Brackley anunciou sua partida, enquanto a Ferrari confirmou as alegações logo depois. Muitos no mundo do automobilismo acreditavam que Hamilton encerraria sua carreira na Fórmula 1 com a Mercedes, tornando a mudança ainda mais impactante.

Allison acrescentou que, apesar do momento ter surpreendido a todos, a possibilidade estava prevista no contrato: “Então, se isso aconteceu, não deveríamos ficar surpresos porque isso era explicitamente algo que estávamos preparados para acontecer, ou então não teríamos colocado isso como uma opção no contrato. Então, o momento exato e a sequência de quando aconteceu, isso acho que pegou todos um pouco de surpresa, mas que aconteceu, eu não acho que foi imprevisível.”

Refletindo sobre seu tempo trabalhando com Hamilton, Allison elogiou a “mágica” que o piloto trazia para a pista. “Os dias em que ele simplesmente produzia pura mágica que fazia você dizer, ‘Oh, meu Deus’”, disse Allison.

“Colocar um carro na estrada com tanta precisão que simplesmente deixava todos os outros pilotos ao redor sem opção a não ser se render ao que Lewis estava fazendo na estrada, a capacidade de fazer um pneu durar e durar e durar, mesmo enquanto dizia a Bono [engenheiro de corrida de Hamilton, Peter Bonnington] que não duraria – o drama que acompanha tê-lo como companheiro de equipe. Mas apenas a entrega de um desempenho brilhante, brilhante. Eu já disse antes que acho que ele é o melhor piloto de corrida que já existiu, e ainda acredito nisso,” finalizou.

Desde que se juntou à Mercedes em 2017, Allison trabalhou de perto com Hamilton, ajudando-o a se aproximar do recorde de sete títulos de Michael Schumacher. Mesmo com a fase desafiadora que a equipe enfrentou desde o início da era dos efeitos aerodinâmicos contemporâneos em 2022, a parceria entre Allison e Hamilton rendeu momentos memoráveis e históricos para a Fórmula 1.