F1: Audi adverte sobre desafios na F1 de 2026 em meio a comparação preocupante com Toyota

A chegada da Audi à Fórmula 1 em 2026 pode enfrentar obstáculos semelhantes aos que dificultaram o progresso da Toyota durante sua passagem pelo esporte. Timo Glock, ex-piloto da Toyota F1, comentou sobre os desafios que a Audi pode enfrentar, ressaltando a necessidade de superá-los para evitar um destino semelhante ao da equipe japonesa.

“Não espero que a Audi F1 seja competitiva imediatamente”, afirmou Glock, refletindo sobre a complexidade da integração de duas bases operacionais diferentes, um desafio que a Toyota também enfrentou durante seu tempo na Fórmula 1.

Glock, expressou otimismo em relação ao potencial da equipe alemã, destacando a experiência do CEO Andreas Seidl na gestão de uma equipe de sucesso na Fórmula 1. No entanto, ele reconhece que a transição não será fácil e que é improvável que a Audi esteja no topo do grid em seu primeiro ano na competição.

“Com Andreas Seidl (Sauber e CEO da Audi F1) em posição, ele sabe exatamente o que precisa para ser uma equipe de Fórmula 1 bem-sucedida, mas, é claro, será um desafio para eles. Não estou esperando que eles estejam diretos lá no primeiro ano,” disse Glock.

A desconexão entre os dois locais de operação da equipe também foi abordada por Glock, citando sua experiência com a Toyota, onde afetou a agilidade na tomada de decisões e, consequentemente, a competitividade da equipe.

A Toyota competiu na F1 entre 2002 e 2009, embora possuísse um dos maiores orçamentos do esporte, sua presença não deixou um grande impacto devido à necessidade constante da fábrica em Colônia de reportar suas atividades ao Japão. Após 2009, a Toyota se retirou da F1, justamente quando seu desempenho parecia estar pronto para competir por pódios regulares. Timo Glock sentiu que a equipe estava no caminho certo para se tornar uma séria concorrente, especialmente ao ouvir sobre o potencial do carro planejado para 2010.

“O carro de 2010 teria sido um carro muito, muito bom. Definitivamente”, disse ele.

“Eu sei disso de caras da Toyota que se mudaram para a Ferrari na época em que a Toyota parou em 2009. Eles tinham os números aéreos exatos. Estávamos de 10 a 15 pontos à frente da Ferrari em 2010, mas o carro de 2010 nunca viu uma pista de corrida,” concluiu.

Com a entrada da Audi na Fórmula 1, espera-se que o interesse pelo esporte aumente na Alemanha, especialmente com a presença do piloto Nico Hulkenberg na equipe, o que pode impulsionar ainda mais a popularidade do esporte no país.

Enquanto a Audi se prepara para sua estreia na Fórmula 1, a equipe enfrenta desafios significativos, mas com uma abordagem estratégica e liderança experiente, eles esperam superar as adversidades e garantir um lugar competitivo no grid.