F1: Alpine considera parceria com Red Bull para unidades de potência

A equipe de fábrica Alpine tem enfrentado dificuldades nesta temporada, apesar dos crescentes investimentos anuais. Parte do desempenho abaixo do esperado se deve à unidade de potência da Renault, considerada a mais fraca da F1 há algumas temporadas. Em busca de uma reviravolta, a gestão da Alpine está explorando a possibilidade de abandonar os motores Renault e se tornar uma equipe cliente.

O chefe de equipe da Alpine, Bruno Famin, teria sondado a Red Bull sobre a possibilidade de utilizar as unidades de potência da Red Bull Powertrains a partir de 2026. No entanto, a Red Bull vê essa possibilidade como inviável no momento, já que a nova unidade de potência será utilizada por duas equipes (Red Bull e Visa Cash App RB). Facilitar uma terceira equipe seria um desafio excessivo.

Além da Red Bull, Famin também entrou em contato com outros fabricantes. A Mercedes, embora improvável, não está fora de questão. A partir de 2026, a Mercedes fornecerá unidades de potência para si mesma, McLaren e Williams. Atualmente, a Mercedes ainda tem a Aston Martin como quarta equipe cliente, mas prefere voltar a um máximo de três equipes, embora isso não seja um requisito rígido. A Ferrari fornecerá motores para duas equipes (Ferrari e Haas F1) em 2026, enquanto a Aston Martin será equipada pela Honda. A Audi fará sua estreia em 2026 com a equipe atualmente conhecida como Sauber.

Na Fórmula 1, nenhuma equipe fica sem unidade de potência, se uma equipe não conseguir fechar acordo com um fornecedor, o fabricante com menos equipes clientes será obrigado a fornecer os motores. Nesse caso, a Alpine teria duas opções: Audi e Honda.

Como estreante, a Audi não deve ser obrigada a fornecer motores para uma segunda equipe imediatamente. Meses atrás, a equipe revelou as mídias que desejava focar exclusivamente em sua própria equipe no início. Isso deixa a Honda como a outra opção para a Alpine. A fabricante japonesa tem desfrutado de sucesso recente com a Red Bull e poderia ser uma alternativa viável para a Alpine.

A decisão final ainda está por vir, mas a busca da Alpine por uma unidade de potência mais competitiva continua, enquanto a equipe se esforça para melhorar seu desempenho na F1.